Some abstracts concerning Portuguese Africa
» » » Some abstracts concerning Portuguese Africa

Some abstracts concerning Portuguese Africa

Africa and the First World War 

International Network for the Study of Africa and the Great War

A I GRANDE GUERRA EM ÁFRICA – COLÓQUIO INTERNACIONAL

Some abstracts concerning Portuguese Africa

(The available abstracts can be consulted here)

Jakob Zollmann, Unlikely Disputes of Empires. Portugal, Germany, and Ovamboland’s World War I

My paper aims at presenting the perspectives on World War I from one of its hitherto under-researched fronts: Ovamboland in present-day northern Namibia and southern Angola. The region was cut in 1886 by a colonial border agreement between Portugal and Germany. Life on this ‘frontier’, however, was barely affected by the ‘paper partition’. Only two decades later the colonial powers attempted to establish some form of authority in the area. While Portugal erected several minor border posts along Angola’s southern edge, the authoroties of German Southwest Africa (GSWA) maintained none in Ovamboland. They were satisfied by the conclusion of several ‘protection treaties’ with local authorities. Factual power rested with the heads of the Ovambo-kingdoms. Dramatic changes occurred, however, when World War I reached the area. A misinterpretation of the presence of military personnel on both sides of the border in late 1914 (based on decade-old mistrust between the colonial authorities) led to German border incursions. The Ovamboland-border was an unlikely theatre of war for European troops in African. It was strategically irrelevant as it was too distant from any seaports or important economic centres. And yet, German troops, concerned about the preservation and integrity of GSWA and eager to retaliate previous Portuguese ‘wrong-doings’, destroyed the Portuguese forts in October and December 1914, among them ‘Naulila’. Following the battle of Naulila, Ovambo polities rose against the Portuguese and forced their retreat. Only in August 1915, after the German defeat in GSWA and with British support, the area became ‘pacified’ by Portuguese expeditionary forces sent from Lisbon. ‘Peace’ came only as a result of total destruction of African polities due to famine and military defeat. Later, the border was demarcated between South African and Portuguese authorities. It remains a political and economic burden for the people of Ovamboland until today. Much to the surprise of the Germans, the Portuguese government laid claims against Germany in 1920 and demanded the payment of damages according to the reparation-provisions of the Treaty of Versailles. The ensuing arbitration procedure involved not only lawyers but also witnesses like soldiers, civil servants, merchants, and missionaries. It lasted until 1933 and opened up a legal perspective on European and African warfare in Angola relating to topics such as memory, occupation, resistance, espionage and collaboration unheard of before.

Third, the arbitral decision resulting from the Portuguese claims became one of the landmark decisions in Public International Law. The ‘proportionality of reprisals’ is by now an undisputed principle of International Law. The African case during World War I which gave rise to the Portuguese assertions about unproportional German violence clearly shows that legal sources taken together with their political and social context can shed light on different aspects of the history and memory of World War I in Africa and beyond.

António Paulo Duarte, A Outra Flandres: a Grande Guerra em Moçambique (Ensaio Político – Estratégico)

O ano de 1916 não foi marcado apenas pela declaração de guerra da Alemanha a Portugal e pelo início da preparação do envio do Corpo Expedicionário Português para a Flandres. No final desse ano, Portugal empenhou um forte contingente de uma dezena de milhar de soldados na ofensiva contra o Tanganica. Tratava-se, como na Flandres, de evidenciar o contributo de Portugal para o esforço de guerra aliado, uma visibilidade que consignaria igualmente, assim se esperava, ganhos territoriais efetivos em África.

A uma estratégia meramente defensiva das possessões coloniais portuguesas nos anos de 1914 e 1915, quer em Angola, quer em Moçambique, opunha-se a estratégia ofensiva de fins de 1916-1917 em Moçambique. A expectativa de que a Campanha da África Oriental Alemã terminasse nos fins de 1916, com a conquista da África Oriental Alemã pelos aliados, tornava mais imperiosa uma ação político-estratégica na última frente africana da Grande Guerra.

A presente conferência propõe-se analisar a visão política e estratégica portuguesa da guerra em Moçambique em 1916 e 1917. Procurará ligar o projeto delineado em Lisboa com a ação estratégico – militar em Moçambique, inserindo-o igualmente na política de guerra da União sagrada.

A Campanha do Rovuma de 1916-1917 não foi um triste acaso, nem uma trágica consequência ocasionada pelo estado de guerra na Europa, mas uma ação deliberada de Portugal, num quadro em tudo similar ao que o Corpo Expedicionário Português desenvolveu na Flandres, como vista a assegurar uma maior visibilidade e um prestígio acrescido de Portugal na vida internacional e na aliança em que se inserira.

Tratava-se de agir ofensivamente, assegurando a posse de território inimigo, que assegurasse não só a ampliação das possessões portuguesas em África, como reforçasse o prestígio das armas nacionais.

A ação bélica em África era concomitante com a manobra estratégica desenvolvida na Europa.

E como sucedeu na Flandres, e em escala bem mais gravosa, a impreparação de Portugal para a guerra em África e as debilidades bélicas das forças militares portuguesas, no teatro de guerra africano, tiveram por consequência que uma ação ofensiva se tornasse num desastre marcial extraordinariamente gravoso para o prestígio das armas nacionais.

Esta narrativa organizar-se-á em redor de três tempos. A situação político – militar de Portugal em África em 1914 e 1915. A política de guerra para a África imediatamente a seguir à declaração de guerra da Alemanha a Portugal e as instruções dadas de Lisboa às forças militares em Moçambique. A campanha militar do Rovuma, os seus objetivos, as suas possibilidades e as suas consequências.

Brian Digre, The Scramble Renewed:  Allied War Aims toward Africa, 1914-1919

The First World War was a seminal event in the history of Africa under colonial rule.  It led to a major repartition of colonial empires and, along with the Paris Peace Conference, gave birth to the mandate system of the League of Nations.  For millions of Africans it also meant untold suffering in a conflict not their own.

This paper examines the African war aims of Britain, France and Belgium toward Germany’s colonies.   In doing so, it discusses African perspectives as well as Allied efforts to manufacture African views in favor of their colonial expansion.  It also explores how South African and Portuguese interests were incorporated into the postwar settlement as well the American role in the creation of the mandates.  Wartime events produced new incentives, but there existed a strong continuity with previous aims.

In West and Central Africa, the French desire to improve the access of their colonial federations to the sea, combined with their claims for colonial compensation due to Britain’s gains elsewhere, formed the critical determinants in the partition of Cameroon and Togo.   British decision makers’ priorities were to secure German Southwest Africa as a reward for the Union of South Africa’s wartime support and to acquire German East Africa.  British policy conformed with their traditional interest in controlling the route to India, while submarine warfare, along with the Königsberg episode, provided new military motives.   Revived interest in the Cape-to-Cairo railway scheme, although recognized by many British policy makers as highly impractical, provided additional geographic appeal for acquiring German East Africa.

Belgian colonial aims reflected the anxieties of a small state.  At first afraid that the Belgian Congo might be sacrificed in a compromise peace, Belgian officials came to view offensive action in East African as a way to restore their prestige among the Congolese.  In an opportunistic fashion, they sought to negotiate a brazen set of colonial exchanges to address the geographical anomaly of the Congo’s tiny coastline.  Only in the face of determined Portuguese unwillingness to surrender any of northern Angola did the Belgians abandon this plan and retain Burundi and Rwanda.

At the end of the war the Allies advanced the self-serving argument that African preferences and interests justified the confiscation of Germany’s colonies.  In fact, African voices were not completely silent, despite their rhetoric the colonial powers were not listing.  American objections to outright imperialist annexations did lead to half-hearted European acceptance of mandates rather than colonies.

My study is based on archival research in the United Kingdom at the National Archives, the House of Lords Record Office and the Bodleian Library; in France at the Archives du Ministère des Affaires Etrangères and the Archives Nationales, Section Outre-Mer; and in Belgium at the Archives du Ministère des Affaires Etrangères and the Archives Générales du Royaume.   For African perspectives, I have used contemporary sources such as the newspaper The Gold Coast Leader.  I also have consulted the diary of George Louis Beer, American historian and African expert at the Peace Conference, at the Library of Congress in the USA.

 

Claudio Forjaz, O combate não convencional na África durante a I Guerra Mundial

O período marcado pelo final do século XIX e o início do XX foi marcado por um desenvolvimento da humanidade sem precedente até então. Similar ao que vivemos hoje, havia uma crescente globalização, tendo a Europa como protagonista dessa cena e a África e a Ásia como palco. Vivia-se o que chamavam de “La Belle Époque”, onde o centro das atenções mundiais era traduzido por refinados transeuntes descobrindo modernas máquinas motoras que iam cortando o ar, o mar e a terra. Nos locais periféricos, um misto de desbravamento e de trabalho duro era exigido para manter as metrópoles a pleno vapor.

O principal marco da ocupação da África é a Conferência de Berlim, proposta por Portugal e capitaneada pela Alemanha, ela ocorreu no biênio 1884-1885. Com o objetivo de organizar e legalizar a ocupação da Áfricapotências coloniais europeias,  acabou resultando numa divisão política que não respeitou, nem a história, nem as relações étnicas e familiares dos povos continente. Todavia um evento posterior reorganizaria o mapa africano, com conseqüências sentidas até os dias de hoje: a I Guerra Mundial.Tal qual o anterior, seu legado, principalmente o militar, transformaria o continente, abrindo caminho para uma conscientização de parte da população de seu valor em armas e do grande leque de oportunidades que poderiam aproveitar na luta por sua autodeterminação.

E é justamente a origem do mais bem sucedido tipo de guerra que seria adotado pelos movimentos de independência que abordaremos neste artigo, destacando aquele em que o nativo fez a diferença entre a vitória e a derrota. E seu reflexo é tão importante que eles serviriam como um dos alicerces da mais discutida teoria militar atual: a da guerra de quarta geração.

Para tanto, realizaremos uma pesquisa histórica inicial para coligir dados e ressaltar conceitos, destacando opiniões e argumentos, relacionando-os até chegarmos a um denominador comum. Depois analisaremos os aspectos relevantes e abrangentes do estudo, colimando-os até que sua reflexão nos conduza a uma maior profundidade e racionalidade na argumentação final.

A fim de levarmos a cabo esta apreciação, nos utilizaremos de métodos empregados pelo Exército Brasileiro que integram a análise cartesiana à síntese holística, dando complementariedade à solução do problema. Tal método é o preconizado na Escola Superior de Guerra (ESG) e o de Tiago de Castro e Castro onde a pesquisa, a decomposição do tema em partes, a síntese e a conclusão fornecerão os ingredientes, a significação e a importância histórica do mesmo. Tudo isso para que as ideias concebidas sejam geradas a partir da integração de dezenas de pensamentos elementares.

Como a História é o registro de acontecimentos notáveis vividos pela humanidade, bem como a análise de suas causas e conseqüências, investigaremos episódios militares ocorridos na África durante a I Guerra Mundial. Nesse bojo, focaremos os da guerra não convencional, como os alemães na África Oriental e o apoio dos ingleses à luta contra o Império Otomano, a partir do Egito.

A importância desses estudos se traduz porque seria a luta irregular a que mais impactaria os movimentos africanos futuros, quer fossem os de independência, quer os de guerra civil.

Finalmente, abrindo caminho para uma abordagem original, identificaremos um vetor corolário, que servirá de norte para podemos extrair ensinamentos para o presente e para o futuro, desejo desta apresentação.

Por fim, a visibilidade deste evento, bem como sua projeção pela divulgação dos trabalhos é que trará o interesse necessário à comunidade científica, para que possa prosseguir, ou não, nos estudos a respeito desse fascinante tema.

João Moreira Tavares, Memórias de Guerra no Arquivo Histórico Militar: África (1914-1918)

A 1ª Guerra Mundial, ou como durante muitos anos foi (e ainda é) denominada: a Grande Guerra, constitui um dos principais acontecimentos do século XX. Pelo seu prolongar no tempo, pelo número de povos envolvidos, pela sua extensão a todo o mundo, pela nova forma de fazer a guerra e como esta causou baixas e destruição nunca antes vistas e pelas suas repercussões muito para além do campo político-militar.

Portugal numa posição inicial de não neutralidade nem de beligerância cedo, porém, se viu na contingência de mobilizar tropas para defesa das suas duas mais importantes colónias: Angola e Moçambique. Incidentes fronteiriços ocorridos com forças alemãs a isso o obrigaram. Em Setembro de 1914 partiram as primeiras tropas para ambas as colónias. Logo seguidas em Outubro de um novo contingente para reforço da força destacada para Moçambique e em Novembro de um batalhão da Marinha para reforço da defesa de Angola, onde os confrontos se sucediam no Sul do território. Nesta contenda não declarada, só oficializada a partir de 9 de Março de 1916 quando a Alemanha declarou guerra a Portugal, um pouco mais de 49 000 homens combateram, nos quais se incluíram 16 278 africanos. Destes 5 621 morreram. Um maior número de mortos do que a participação portuguesa na frente europeia, embora o grau de intensidade dos combates não tenha comparação com o registado na Flandres, só explicado pela improvisação verificada quer na preparação das tropas, quer na condução das operações militares em territórios com um terreno e clima adversos, quase desprovidos de recursos e vias de comunicação que permitissem sustentar as forças em operações e percorrer a sua grande extensão, várias vezes superior à da metrópole e dela distanciados por milhares de quilómetros.

Com as atenções focadas na frente europeia, o principal Teatro de Operações onde tudo começou e se decidiu, com o passar dos anos, acabou por se registar um esquecimento do esforço realizado por Portugal na frente africana, só, pontualmente, quebrado por algumas memórias, alguns trabalhos em obras colectivas e estudos, mas sempre em muito menor número dos existentes sobre o Corpo Expedicionário Português (CEP) enviado para a Flandres. Esta carência de testemunhos é talvez justificada pela “escassez” das fontes quando comparadas com o “enorme” fundo do CEP, mas tal não deve servir de justificação para o desinteresse verificado, pois as fontes existem, são diversificadas e a sua relevância é incontestável e afinal a defesa da manutenção das colónias africanas foi uma das principais razões para a entrada de Portugal na guerra.

A presente comunicação centra a sua atenção no conjunto de documentos alusivo à presença militar portuguesa em África no período da 1ª Guerra Mundial que integra o acervo do Arquivo Histórico Militar (AHM), maioritariamente reunido na denominada 2ª Divisão, grupo de fundos documentais que integra a 2ª, 7ª e 10ª Secções constituídas com documentação, respectivamente, referente a Angola, Moçambique e ao Ultramar, mas que se estende também a outros fundos documentais que importa divulgar e valorizar, como por exemplo o vasto e diversificado espólio iconográfico.

Com esta iniciativa pretende-se aproximar os investigadores das fontes documentais, contribuindo, desse modo, para o aparecimento de novos trabalhos e interpretações no âmbito da História militar nacional. São múltiplas as temáticas a explorar e inúmeros os caminhos a seguir. Desde o lado mais humano da guerra, composto pelo quotidiano das tropas ou pelo drama vivido pelos prisioneiros civis alemães internados em campos de reclusão ou, ainda, pelo papel dos indígenas nas operações; passando pelo plano estritamente militar, como a organização da defesa, a instrução, armamento, equipamento e envio das tropas, a condução das operações contra os alemães e populações sublevadas até ao campo político e das relações internacionais em que se destaca a aliança luso-britânica e sua importância no conflito.

Cabe aos investigadores resgatar essas memórias de guerra e é esse o repto lançado a todos aqueles que queiram construir essa ponte entre o passado e o presente, não só com um objectivo meramente memorialista, mas sobretudo para aprofundar o nosso conhecimento sobre acontecimentos do passado ainda, por vezes, tão pouco conhecidos ou mal esclarecidos.

 

Marisa Fernandes, A chegada tardia da Alemanha a África nos finais do século XIX: Da hesitação de Bismarck à Weltpolitik de Guilherme II e ao interesse pelo espaço colonial português

Esta comunicação tem como principal objectivo demonstrar de que modo é que a chegada tardia da Alemanha à corrida pela posse de colónias em África – num momento em que os espaços de menor interesse eram os únicos que ainda se encontravam disponíveis – foi condicionada pela hesitação e desinteresse inicial de Otto Von Bismarck e, consequentemente, como é que a actuação da Alemanha neste plano já com Guilherme II se tornou mais competitiva e agressiva – envolvendo mesmo o interesse pelas colónias portuguesas – e evolui até à I Guerra Mundial.

O espaço geopolítico de acção da Alemanha unificada era por excelência o espaço europeu, o que justificava a habilidosa e complexa política de construção de alianças estabelecida por Bismarck – de forma a permitir à Alemanha assumir na Europa o papel de árbitro diplomático – que hesitava, assim, em mostrar-se defensor da ideia de construção de um império colonial alemão. No entanto, esta hesitação inicial de Bismarck começou a desaparecer em virtude do crescente desenvolvimento económico e industrial da Alemanha, que começava a justificar a necessidade de encontrar novos mercados para a exportação de produtos; em 1882, verificou-se o surgimento da Deutscher Kolonialverein[Associação Colonial Alemã], a que se seguiu em 1884 a criação da Gesellschaft für Deutsche Kolonisation [Sociedade para a Colonização Alemã] e a realização da Conferência de Berlim, onde a Alemanha procuraria garantir as regras internacionais que tornariam possível a sua política de expansão colonial em África. É também nesse mesmo ano que se verifica a ocupação alemã da actual Namíbia, onde alguns anos depois ocorreria o primeiro genocídio do século XX – e surgiriam as raízes coloniais do Nacional-Socialismo (Erichsen & Olusoga, 2010) – , como resultado da iniciativa do comerciante de tabaco Adolf Lüderitz (1834-1886).

Ainda assim, o factor decisivo para a política colonial alemã surgiu com a adopção de umaWeltpolitik [política mundial], uma nova Politica Externa, por Guilherme II -logo após a apresentada demissão de Bismarck (1890)- destinada a explorar igualmente as possibilidades económicas para além da Europa, a fim de determinar quais as outras regiões que poderiam responder às necessidades geopolíticas de uma expansão continental e marítima do Reich e contribuir para que a Alemanha conquistasse ein Platz an der Sonne[um lugar ao Sol]. E, neste sentido, o imperialismo surgia associado ao programa de construção naval, pois para Guilherme II o futuro estava no Mar: «poder imperial significava poder marítimo e o poder marítimo e o poder imperial dependiam um do outro de tal maneira que não poderiam existir um sem o outro» (Fischer, 2007:148 e 149). Com efeito, a Inglaterra constituía um exemplo a seguir para o Kaiser, tanto por ter conquistado a sua hegemonia comercial, como por ser detentora de um grande império colonial e possuir uma frota capaz de garantir a segurança e defesa dos seus interesses no mundo.

Deste modo, e destinando-se: a garantir a neutralidade alemã, a conseguir a retirada do apoio alemão às Repúblicas Boers e a assegurar a redução do seu programa de rearmamento naval, estabeleceram-se acordos secretos entre a Inglaterra e a Alemanha relacionados com o destino das colónias portuguesas e o problema da dívida externa portuguesa. Da parte alemã existiam já episódios de pressão sobre Angola e Moçambique, com consideráveis recursos energéticos essenciais à industrialização, reflectindo as ambições de alargamento territorial da Alemanha a áreas contíguas àquelas que já possuía – em particular a Namíbia e a Tanzânia -.

Paralelamente à sucessivamente adiada publicação dos acordos secretos anglo-germânicos de 1898 e à revisão de 1913 – pois a Alemanha não estava interessada na sua divulgação -, continuaram a verificar-se iniciativas privadas alemãs com apoio imperial de penetração no espaço colonial africano de Portugal. Este crescente espírito de competição – com especial incidência na questão colonial e naval, que influía directamente com a Inglaterra enquanto rainha dos mares -, acentuado pela política de Guilherme II que conduzira à destruição das alianças construídas por Bismarck -, manter-se-ia até ao eclodir da I Guerra Mundial, após a qual a Alemanha perderia todas as suas colónias.

 

 

What do you think?